Kit restaurante | 5 coisas essenciais

Puzzles, ainda por cima, com o livro de bónus ;)
São, simultaneamente puzzles e carrinhos 😃

Nós sempre gostámos de viajar, estar com os nossos amigos, passear, ir jantar fora e aproveitar os dias ao máximo. E depois de ter Filhos continuamos a gostar de tudo isto e a fazer tudo isto.


A experiência foi-nos ensinando que, por exemplo, quando planeamos uma viagem, ou um passeio, devemos incluir momentos de pausa, de corrida no parque, de brincadeira nos escorregas.
E também fomos percebendo que as idas ao restaurante podiam correr melhor se fossem preparadas. Não tanto em termos da comida em si (só no primeiro ano de vida de cada um deles), mas mais no que fazer para os entreter enquanto comemos e conversamos.

Como em tudo, principalmente no que diz respeito aos Filhos, não há receitas infalíveis nem verdades absolutas. Mas, isto tem resultado connosco e temos conseguido evitar recorrer, apenas, ao telemóvel ou ao tablet (não, não somos anti-tecnologia para os miúdos, e usamos moderadamente; simplesmente preferimos, quando possível, utilizar outros métodos de entretenimento).

Aqui ficam as 5 coisas imprescindíveis no nosso kit restaurante:

Mini quadro mágico | temos dois, para não haver guerras e é uma das suas coisas preferidas (a menos que as toalhas do restaurante sejam de papel...). Na brincadeira, costumo dizer que é o tablet deles 😉.

Lápis de cor e de cera | também temos sempre. Há alguns restaurantes que já perceberam o potencial de ter as crianças a desenhar enquanto os Pais se dividem entre desenhar com eles e comer. Nós acompanhamos os lápis com livros de colorir pequenos e cadernos para desenhar (principalmente porque há muitos restaurantes com toalhas de pano 😉).

Puzzles | são puzzles pequeninos, de madeira, que resultam mais tempo com o Rodrigo do que com o Miguel, mas ainda assim são usados pelos dois. Temos sempre dois, para o caso de quererem os dois fazer puzzles, ao mesmo tempo... (se quiserem habilitar-se a ganhar um conjunto de livro + 2 puzzles, semelhante ao que nós temos, consultem as condições no Instagram do Blog - o passatempo termina a 26 de Abril!).

Jogo do Galo | foi a lembrança de aniversário mais gira que o Miguel já recebeu! Este ainda não funciona com o Rodrigo, mas o Miguel gosta bastante (apesar de ainda estar a aprender como se joga...).

Jogo da memória da Patrulha Pata | de vez em quando, eu tenho umas boas ideias. Aproveitar os cromos repetidos para fazer um jogo da memória foi, definitivamente, uma dessas boas ideias 😍 (vejam aqui como fazer).

E é isto. O kit costuma andar sempre na mochila das fraldas, porque nunca se sabe quando é que pode ser preciso. Até a tomar um café pode dar imenso jeito! Apesar de não estar nesta lista, costumamos ter sempre carrinhos e, às vezes, livros. Mas fica o alerta que, se for um livro de histórias, podemos acabar por passar a refeição toda a ler o livro, o que estraga um bocado o espírito da coisa...

E vocês, têm sugestões para a troca?


Os quadros mágicos, aka tablets ;)O Jogo da Memória da Patrulha Pata é um sucesso!

Quando chegamos a um restaurante com toalha de papel o Miguel fica logo todo contente :)

Adorei esta ideia de lembrança de aniversário <3




Comentários

Anad disse…
Comp psicóloga infantil e mãe de duas criancas, achei curioso mas não surpreendente discordar de todo o artigo. A melhor maneira de ter uma " refeição sossegada " ( seja o que isso quer dizer) é não ter filhos....Mas se essa não foi a sua opção então o melhor é perceber que á mesa, saboreamos a comida e conversamos com os filhos, não os entretemos....
Carina Pereira disse…
Eu também acho curioso, mas nada surpreendente, que este tipo de comentários venha sempre de utilizadores anónimos. Apenas ligeiramente surpreendente que venha de uma psicóloga infantil, com tanta vontade de criticar a parentalidade alheia...

Deixe-me que lhe diga que tenho que discordar, em absoluto, do que diz.

À mesa, como em tantas outras situações, o meu intuito nunca é excluir os meus Filhos do que seja, mas antes incluí-los. E isso envolve entretê-los, sim. Se quero ir com os meus Filhos a um restaurante, não estou a ver como é que brincar com eles, com as coisas que eles mais gostam, seja não "perceber que à mesa, saboreamos a comida e conversamos com os filhos".

Nem consigo sequer perceber porquê que para ter uma refeição sossegada seja necessário não ter Filhos. Tenho refeições sossegadas há mais de 4 anos (2 dois quais com dois Filhos).

Mas, acima de tudo, além de me criticar, de criticar a forma como lido com os meus Filhos, e de criticar o post propriamente dito, não vejo qual o valor acrescentado do seu comentário...
Anad disse…
Boa noite, após a sua resposta sinto necessidade de clarificar alguns pontos que possam esclarecer a sua curiosidade e surpresa. Não entendo a questão do anonimato. Apareço como anónima? Em segundo lugar, critiquei o seu post, ou seja, o que escreveu, e não a parentalidade alheia, porque generaliza? Porque acha surpreendente que venha de uma psicóloga? Acha que ter uma outra perspectiva sobre as coisas é negativo? Não poderia comentar da mesma forma se fosse "apenas" mãe? Após reler o seu artigo continuo com a mesma opinião, se tivesse incluído no seu post parte do que escreveu a responder-me acho que tinha ficado mais enriquecido. Mas a vida é mesmo assim, não se aborreça com essas coisas.
Carina Pereira disse…
Boa noite Anad!
Agradeço desde já o tempo que dispensou a enviar o seu comentário. Terei em mente as suas sugestões num próximo post que escreva sobre este assunto.
Ninean disse…
Olá Carina. Como quase sempre não só gostei do post, como efectivamente estou de acordo. Como mãe de duas crianças (uma muito pequena para poder entreter com mais do que a mama), acho que "refeição sossegada" pode ser subjectivo, e se nos referimos a uma refeição na qual estamos em silêncio o tempo quase todo, o melhor é não casar, ter filhos ou amigos.
Mas para qualquer um de nós, que tem filhos pequenos e realmente gosta de passar tempo com eles e de ir a restaurantes, mas incomodar o menos possível as outras pessoas, o que faz mais sentido é levar coisas com que possamos distrair as crianças, visto que (por mais que quiséssemos) "conversar e saborear a comida" nem sempre mantém crianças normais e saudáveis sentadas muito tempo.
Beijinhos
Carina Pereira disse…
O intuito com que escrevi este post foi precisamente esse :)

Eu gosto de inspirar as pessoas a viver uma parentalidade descontraída e descomplicada. E, para isso, temos que conseguir fazer as coisas de que gostamos, incluindo os nossos Filhos. Coisas como viajar, passear, ir a restaurantes, ...

Obrigada pelo teu feedback :)

Playgroup de Gaia | Dia dos Avós

Posts mais lidos